Texto do Mês
 15/04/2009 - Leandro Souza 
Três Pães

Autor(a): Leandro Souza

Crônica de Leandro Souza, aluno do 7º período de Letras da Universidade Católica de PE

Data: 15/04/2009

“Três Pães”
 
 
 

      - Me dê trêi pão. Disse ela recolhida em si. A voz abafada, envergonhada, cortada por suas dores e frustrações de ser. Ser o quê? O que é.

      - Surtido. Falou como quem mendiga, porém, com três moedas na mão. Cabeça baixa, olhos curiosos, assustados; tinha medo dos que a rodeavam; daqueles olhares flechantes que pareciam transpassar a sua alma.

      - só tem francês. Respondeu asperamente o padeiro, que parecia incomodado com a compra da velha senhora, maltrapilha; que não pedia, pagava os custos como qualquer outro que ali estava.

      - Não tem doce, moço? Quase murmurou apertando sua blusa encardida de uso e manchada de tanto se lavar.

      - Não! Responderam-lhe novamente de forma mais brusca que da primeira vez, mas agora não havia sido o padeiro e sim sua esposa, religiosa fervorosa. Estava irritada com a pobre mulher que lhe fazia o favor de ser freguesa.

      Levantou o dedo e ousou: - E a broa, quanto é? Silêncio. Fingiram não ouvi-la. Sentindo sua existência anulada, percorre com os olhos toda a pequena padaria, fitando os vultos ao seu redor, curiosa, novamente com medo. Aqueles olhares gelados, uns de repulsa e outros de pena. Por que não falavam com ela, ou mesmo, respondiam sua pergunta? Não entendia! E a mulher que todos os dias clama a Deus e lê a bíblia? Aquela mesma que todos os dias sai de casa e vai à igreja incansavelmente, infalivelmente, orar... Só orar!

      O saco de pão lhe é quase jogado e uma mão se estende requerendo seu pequeno tesouro: as três moedas.

      Não escuta um obrigado e diz: - boa noite! Sai meio que se arrastando pelo canto, como um inseto, procurando não ser vista; fugindo dos olhares que pareciam grandes pés ou chinelos atentando esmagar-lhe.

      Finalmente saiu de lá (suspira), estava na rua, livre, a salvo, voltando para casa; seu doce refúgio, seu lar. O caminhar torpe segue a estrada reta e some na penumbra; e lá se esquece.
 

 

Últimos
Título Autor(a) Data
 Três Pães  Leandro Souza  15/04/2009
 Avião  César Garcia  19/03/2009
 Kyoto do chá do luar de dezembro  Fernando Monteiro  09/01/2009
 talvez(es)  Thaís Nóbrega  24/11/2008
 Nº  Cristhiano Aguiar  10/11/2008
Página 1 de 1


Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura
e-mail: portodasletras.gole@gmail.com