Principal Downloads Textos Expediente Contatos Mapa do Site
Algumas Conclusões


Entre as metrópoles brasileiras, a esperança de vida ao nascer é menor no Recife (68,8 anos em 2000, semelhante à média nacional). Uma mortalidade infantil pior que a de algumas capitais e a alta taxa de homicídios influenciam o resultado.

Recife foi a capital nordestina com menor crescimento populacional entre 1991 e 2000: 0,92% ao ano. Junto com Aracaju (1,54%), é a única capital do Nordeste em que a população cresceu menos que no Brasil (1,63%).

A capital de Pernambuco é a segunda do Nordeste com maior proporção de adolescentes de 15 a 17 anos com filhos: 8,13% em 2000. A maior taxa é a de Maceió (10,49%).


No bairro do Recife, 91,4% das pessoas vivem sem água encanada, segundo dados de 2000. O bairro é o pior do município nesse indicador e piorou na década de 1990: em 1991, 68,98% dos moradores não tinham acesso ao benefício.

Três bairros do Recife universalizaram o serviço de água encanada: Aflitos, Santo Antônio e Torreão. Em outros oito a proporção da população sem acesso ao recurso era inferior a 1% no ano 2000: Boa Vista, Derby, Casa Forte, Hipódromo, Encruzilhada, Graças, Soledade e Ilha do Leite.

Na capital pernambucana, a diferença entre a renda do chefe de domicílio do bairro mais pobre e o do bairro mais rico é de 33 vezes. Um chefe de domicílio de Jaqueira tem renda média de R$ 5.178,64 mensais, e o do bairro do Recife, R$ 156,88.

Depois de Jaqueira, a renda do chefe de domicílio é mais alta em Casa Forte (R$ 3.970,65) e Aflitos (R$ 3.630,33). Os piores, depois do Recife, são Ilha Joana Bezerra (R$ 183,82) e Passarinho (R$ 200,93).


O bairro com maior número de pessoas morando em favela é Santo Amaro (13.886 no ano 2000), seguido de Imbiribeira (12.896) e Ilha Joana Bezerra (10.019).

Os bairros cuja população mais cresceu entre 1991 e 2000 foram Passarinho (6,54%) e Macaxeira (6,17%). Por outro lado, 30 perderam habitantes, com destaque para Paissandu (3,71%) e Soledade (-2,98%).

Pau-Ferro é o bairro com maior proporção de jovens de 18 a 24 anos analfabetos: 24,62%. Em Hipódromo e Ilha do Leite, todas as pessoas nessa faixa etária são alfabetizadas. Pau-Ferro, aliás, tem a maior taxa de analfabetismo da cidade: 29,8%.

Os bairros com maior proporção de idosos (indivíduos com mais de 65 anos) são Santo Antonio (16,7%), Soledade (13,45) e  Boa Vista (13,15). Passarinho (2,78%) é o que tem menos pessoas nessa faixa etária.


Na capital pernambucana, os homens que são chefes de domicílio têm mais anos de estudo que as mulheres chefes de domicílio: 7,85 contra 6,76. As mulheres com mais anos de estudo responsáveis por domicílios são as de Aflitos (13,35); entre os homens, são os de Jaqueira que passaram mais tempo nos bancos escolares (14,67 anos).

No bairro do Recife, 48,96% dos chefes de domicílio ganham menos de 1 salário mínimo. Esse é o único da capital em que ninguém recebe mais de 10 salários mínimos por mês
.

Em Dois Irmãos, moram em média 4,36 pessoas por domicílio, a maior taxa do município. A menor é a de Santo Antonio (2,14). Em 12 bairros do Recife todos os domicílios urbanos são servidos por coleta de lixo: Aflitos, Cabanga, Casa Forte, Derby, Graças, Hipódromo, Ilha do Leite, Jaqueira, Paissandu, Rosarinho, Santo Antônio e Torreão. A menor proporção está em Guabiraba (61,12%).

O bairro em que há maior percentual de chefes de domicílio com mais de 11 anos de estudo (ou seja, que teoricamente terminaram o ensino médio) é Aflitos (76,54%). A menor proporção é a do Recife (0,35%).



próxima  
Atlas do Desenvolvimento Humano no Recife - 2005 © Todos os direitos reservados