Atalhos de navegação:

    Cultura     100 anos do Frevo Diário Oficial Agenda do Prefeito Fale conosco

 

RSS lista de noticias do grupo O que é isso?

Cultura

100 ANOS DO FREVO

/

Pernambuco tem uma dança
Que nem uma terra tem
Quando a gente entra na dança
Não se lembra de ninguém

É maracatu, não!
Mas podia ser.
É bumba-meu-boi, não!
Mas podia ser.

Mas será o baião, não!
Mas podia ser.
É dança de roda, não!
Quero ver dizer...

É uma dança
Que vai e que vem
Que mexe com a gente
É frevo, meu bem!
(
Capiba)



100 ANOS DO FREVO

A Prefeitura do Recife apresenta uma série de projetos e ações para comemorar o Centenário do Frevo em 2007 e 2008. Pensando no frevo como uma manifestação cultural importante, o Projeto 100 Anos do Frevo não se limita a comemorações festivas, mas dá o tratamento ao ritmo nos seus diversos aspectos: preservação e difusão, estudo, apoio aos compositores, intérpretes e às agremiações carnavalescas.


Sob coordenação geral da secretária da Gestão Estratégica e Comunicação, Lygia Falcão, a iniciativa tem em seu horizonte não apenas divulgar, mas também contribuir para a preservação do ritmo como símbolo do Carnaval de Pernambuco. Mais do que isso, será uma oportunidade para promover o frevo em todo o mundo como expressão musical capaz de ser reconhecida internacionalmente por sua imensa riqueza sonora.
 

A administração municipal vai encabeçar e patrocinar diversos eventos e lançamentos – antes, durante e depois do Carnaval. São os casos da publicação de um livro inédito sobre o Frevo, do DVD da Spok Frevo Orquestra e de CDs de J. Michiles,  Claudionor Germano,  Maestro Ademir Araújo e de Nonô Germano.

Uma das ações mais importantes foi, sem dúvida, o Registro do Frevo como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.O projeto de candidatura foi entregue pelo prefeito do Recife, João Paulo, ao ministro Gilberto Gil em junho de 2006 e em julho foi considerado pertinente. Num prazo recorde de 5 meses, um grupo técnico composto por 10 pessoas entre profissionais da prefeitura e historiadores elaborou um dossiê e um documentário de 15 minutos com os argumentos para o registro.

O material foi entregue no dia 30 de novembro. Normalmente o Iphan determina um prazo de 18 meses. No dia 9 de fevereiro de 2007, dia em que o ritmo completou 100 anos, com a presença do Ministro Gilberto Gil,
o Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN) reuniu-se,  na sacristia da Igreja São Pedro dos Clérigos (Pátio de São Pedro), para examinar a proposta de registro aprovando-a com grande festa.

O dossiê apresenta aspectos históricos, características musicais e da dança, a poesia no frevo, as agremiações, a representação visual, a indústria cultural, além de um plano de salvaguarda do frevo. Em anexo foram encaminhadas relação das formas de expressão do frevo, grupos e companhias de dança, artistas (compositores, arranjadores, maestros, intérpretes), orquestras de frevo, agremiações carnavalescas (troças, blocos e clubes), partituras, biografias, transcrições das entrevistas gravadas e questionários específicos para a investigação sobre música.

Frevo em Arte

No dia 8 de fevereiro o prefeito do Recife João Paulo, junto à secretária de Gestão Estratégica e Comunicação, Lygia Falcão, além do secretário de Cultura do Recife, João Roberto Peixe, lançaram o Frevo em Arte, no Museu da Cidade do Recife (Forte das Cinco Pontas). O projeto, uma parceria da Prefeitura do Recife com agência Escala Novva, envolveu 17 artistas plásticos pernambucanos que confeccionaram os 17 protótipos de passistas do frevo. Elaborados em fibra de vidro, os passistas foram apresentados em duas posições de passo do ritmo pernambucano com 2,20 metros de altura. Participaram da produção os artistas plásticos Alice Vinagre, Cristina Machado, Dantas Suassuna, Jacaré, Joelson, Juliana Calheiros, Juliana Notari, Luciano Pinheiro, Marcelo Silveira, Mauricio Castro, Moacir Lago, Paulo Meira, Rivaldo Silva, Tereza Costa Rego, Zé Patrício, Zé Paulo e Alexandre Nóbrega.

As esculturas foram instaladas nos seguintes pontos: Praça do Arsenal da Marinha, Teatro Apolo, Shopping Paço Alfândega, Terminal Marítimo de Passageiros, Largo do Carmo (Av. Dantas Barreto), Pátio de São Pedro, Ponte Princesa Isabel, Parque 13 de maio, Av Conde da Boa Vista / Riachuelo, Av Agamenon Magalhães – Praça do Parque Amorim, Praça do Derby (na esquina da Av. Agamenon Magalhães e a Av. Carlos de Lima Cavalcanti), Av. Caxangá – Museu da Abolição, Praça de Casa Forte (na Av. 17 de agosto), Praça da Jaqueira (Capela do Parque), Av. Agamenon Magalhães – Subida da ponte Joana Bezerra, Praça de Boa Viagem e Mercado de Casa Amarela.

 

Dia do Frevo

A Prefeitura do Recife organizou um dia inteiro de programação para celebrar os 100 Anos do Frevo. Desde as 6h do dia 9 de fevereiro, orquestras de frevo deram o toque inicial da festa em 6 bairros da cidade e uma clarinada composta por 12 clarins anunciaram o início da programação na Praça do Marco Zero. Ao longo do dia, o frevo tomou conta do Recife, arrastou o povo sob o comando de Antônio Carlos Nóbrega, recebeu a homenagem de grandes nomes da música popular brasileira. Além disso, outras ações aconteceram e que foram muito além da festa, pensando no frevo como uma manifestação cultural importante nos seus diversos aspectos. Personalidades ligadas ao frevo foram homenageadas, um espaço totalmente dedicado ao frevo foi lançado e o ritmo obteve o Registro de Patrimônio Imaterial do Brasil.

Agenda do Centenário:

6h -  Acorda Povo com orquestras de frevo nas 6 RPA’s e queima de fogos. Moradores de seis localidades do Recife acordaram ao som do frevo, anunciando a festa no dia do seu Centenário. A Prefeitura do Recife levou mais de 90 músicos de orquestras de frevo, além de 150 passistas pelas ruas próximas ao Morro da Conceição, à Rua da Lama, no Cordeiro, à Várzea, em Brasília Teimosa e ao Ibura. Cada roteiro teve duração média de duas horas. No mercado da Boa Vista, o ritmo tomou conta dos comerciantes a partir das 11h30, seguindo até às 13h30

6h30- Clarinada
- A manhã do dia 9 de fevereiro foi anunciada ao som de 12 clarins partir das 6h, na Praça do Marco Zero, Bairro do Recife.

8h
– Atrás da Orquestra:  diversas orquestras itinerantes e de tradicionais blocos líricos do carnaval do Recife percorreram 19 pontos do Recife (Conde da Boa Vista, Praça da Independência, Praça do Carmo, Pátio de São Pedro, Guararapes, Sete de Setembro, Rua Nova, Duque de Caxias, Rua Direita, Rua do Sol, Mercado de São José, Rua do Hospício, Rua da Imperatriz, Parque da Jaqueira, Aeroporto, Parque 13 de maio, Av. Brasília Formosa e no bairro de Boa Viagem, estará entre o 1º e o 3º jardim, além da Praça de Boa Viagem)

       - Lançamento do Paço do Frevo, uma perceria entre a Prefeitura do Recife e a Fundação Roberto Marinho, no prédio da Western, nº 91, Praça do Arsenal da Marinha


10h Homenagem a 100 personalidades ligadas ao frevo no Teatro do Parque

14h
– Reunião fechada do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN), na Sacristia da Igreja São Pedro dos Clérigos, no Pátio de São Pedro, bairro de São José, para análise do pedido da Prefeitura do Recife para que o Frevo obtenha o Registro de Patrimônio Imaterial do Brasil.

16h30
– Concentração para o Arrastão do Frevo sob o comando de Antônio Nóbrega

17h –
O Ministro Gilberto Gil anunciou o resultado do Registro do Frevo como Patrimônio Imaterial do Brasil

17h30
Saída do Arrastão do Frevo

19h30
Chegada do Arrastão do Frevo no Marco Zero com Queima de Fogos

20h
Show de lançamento do CD duplo 100 Anos do Frevo – É de perder o sapato, produzido pela Prefeitura do Recife em parceria com a Biscoito Fino

22h
– Show com a banda A Troça, resultado do projeto O Frevo, com participação de 22 músicos da nova cena pernambucana tocando frevo


CD Duplo 100 Anos de Frevo – É de perder o sapato !

No ano do seu centenário, o frevo ganhou mais uma homenagem com novos arranjos e interpretações de grandes artistas da música popular brasileira como Maria Bethânia, Lenine, Gilberto Gil e Ney Matogrosso. A Prefeitura do Recife, em parceria com a gravadora Biscoito Fino lançou o cd 100 anos do frevo - É de perder o sapato, sendo um cantado e outro instrumental, com um grande show no Marco Zero.

Para fazer a direção musical e artística do Cd, a Prefeitura do Recife confiou a missão a ninguém mais, ninguém menos que Carlos Fernando, responsável pela revitalização do ritmo no início dos anos 80 com a organização de uma série de discos intitulada Asas da América. Colocou um time de estrelas para frevar como Chico Buarque, Alcione, Lulu Santos, Gilberto Gil, Jackson do Pandeiro, Elba e Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, Fagner e Alceu Valença.

Os arranjos ficaram nas mãos de notáveis maestros pernambucanos: Clóvis Pereira, Spok e Edson Rodrigues. Os grandes clássicos do ritmo que é a marca do carnaval pernambucano foram gravados por 19 artistas entre os quais estão Lenine, Maria Bethânia, Silvério Pessoa, Vanessa da Mata, Luiz Melodia, Claudionor Germano e Gilberto Gil, que imprimem suas vozes em 17 faixas do cd “cantado”. O outro é composto por 14 frevos instrumentais consagrados, como Última Dia, de Levino Ferreira, Frevo da Meia Noite, de Clóvis Pereira e Passo de Anjo, de João Lira. A Spok Frevo Orquestra faz a base para 12 faixas do cd cantado e no intrumental participa integralmente.

Para o repertório, Maria Bethânia escolheu Frevo nº1, de Antônio Maria, Ney Matogrosso promete uma grande interpretação de Me segura senão eu caio (J. Michiles), além de Vanessa da Mata, que não abriu mão de interpretar um dos seus frevos favoritos, De chapéu de sol aberto, composto por Capiba. Gilberto Gil cantará Micróbio do Frevo, de Genival Macedo e Edu Lobo, Frevo Diabo, composto por ele em parceria com Chico Buarque.

Luís Melodia irá interpretar Último Regresso, de Getúlio Cavalcanti, e Geraldo Azevedo, Tempo Folião, dele e de Carlos Fernando. Ainda estão presentes Alceu Valença, com Homem da Meia Noite, composição dele e de Carlos Fernando; Silvério Pessoa, com Atrás do Trio Elétrico, de Caetano Veloso e Lenine sobe ao palco com Energia, do parceiro de composições Lula Queiroga. Completam a homenagem, Antônio Nóbrega, com Evocação nº 1, clássico de Nelson Ferreira, Geraldo Maia que canta Frevo nº 3, de Antônio Maria e Claudionor Germano interpreta Madeira que cupim não rói, outro clássico do frevo, do mestre Capiba.

Elba Ramalho empresta sua voz para Frevo Rasgado (Bruno Ferreira e Gilberto Gil) e Nena Queiroga, junto a Vanessa Oliveira, Lígia Miranda e Rosana Simpson interpretam Aurora de Amor (Maurício Cavalcanti) e Bom danado (Luis Bandeira). Ainda para ser confirmada a presença de Maria Rita, que já escolheu o frevo Valores do passado, de Edgard Moraes.

No cd instrumental, junta-se ao naipe de arranjadores, fazendo uma participação especial, o maestro Duda na faixa Nilinho no Passo, composta pelo próprio. A Spok Frevo Orquestra executa todas as canções. Um dos momentos mais especiais do CD é o arranjo feito pelo maestro Clóvis Pereira baseado no frevo de rua Vassourinhas, de Matias da Rocha e Joana Batista. Batizada de Sesta Carnavalesca, a música ganhou os acordes da Orquestra Sinfônica do Recife, que dará um tom mais erudito à canção sob a regência do maestro Osman Giuseppe Gioia.

Repertório CD cantado:

Alceu Valença – Homem da Meia Noite (Carlos Fernando e Alceu Valença)
Vanessa da Mata – De chapéu-de-sol aberto (Capiba)
Maria Rita – Valores do Passado (Edgard Moraes)
Luis Melodia – Último Regresso (Getúlio Cavalcanti)
Maria Bethânia – Frevo nº 1 (Antônio Maria)
Geraldo Azevedo – Tempo folião (Carlos Fernando e Geraldo Azevedo)
Gilberto Gil – Micróbio do Frevo (Genival Macedo)
Ney Matogrosso – Me segura senão eu caio (J. Michiles)
Nena Queiroga, Lígia Miranda, Vanessa Oliveira e Rosana Simpson – Bom Danado (Luis Bandeira e Ernani Seve) e Aurora de Amor (R. Amorim e Maurício Cavalcanti)
Silvério Pessoa – Atrás do trio elétrico (Caetano Veloso)
Lenine – Energia (Lula Queiroga)
Geraldo Maia – Frevo nº3 (Antônio Maria)
Antônio Nóbrega – Evocação nº 1 (Nelson Ferreira)
Claudionor Germano – Madeira que cupim não rói (Capiba)
Edu Lobo – Frevo Diabo (Edu Lobo e Chico Buarque)
Elba Ramalho – Frevo Rasgado (Bruno Ferreira e Gilberto Gil)

Repertório CD Instrumental:

Três da Tarde (Lídio Macacão) – arranjo Spok
Aninha no Frevo (Clóvis Pereira) – arranjo Clóvis Pereira
Frevo da Meia Noite (Clóvis Pereira) – arranjo Clóvis Pereira
Duas Épocas (Edson Rodrigues) – arranjo Edson Rodrigues
Luzia no Frevo (Antônio Sapateiro) – arranjo Edson Rodrigues
Mordido (Alcides Leão) – arranjo Spok
Último Dia (Levino Ferreira) – arranjo Spok
Nilinho no Passo (Duda) – arranjo Duda
Duda no Passo (Senô) – arranjo Clóvis Pereira
Gostosão (Nelson Ferreira) – arranjo Edson Rodrigues
Passo de Anjo (João Lira/Spok) – arranjo Spok
Freio a óleo (José Menezes) – arranjo Edson Rodrigues
Cabelo de Fogo (Nunes) – arranjo Spok
Sesta Carnavalesca (baseado em Vassourinhas de Matias da Rocha e Joana Batista) – arranjo Clóvis Pereira


Projeto O Frevo e criação da banda A Troça


Todos os ritmos musicais homenageando o Frevo. Esta foi a proposta do projeto O Frevo que durante as sextas-feiras de janeiro e março, levou à Praça do Arsenal da Marinha, no Bairro do Recife, shows de cantores e bandas locais fazendo uma releitura do Frevo. Cada cantor ou banda apresentou cinco músicas do seu repertório, em ritmo de frevo, e ainda interpretour mais cinco composições tipicamente de frevo.

Grupos heterogêneos participaram do projeto tocando frevo: forró (Maciel Salú, Arlindo dos 8 Baixos, Forró Rabecado), MPB com regional (Carolina Pinheiro, Geraldo Maia, Tonino Arcoverde), Jazz (C4 Instrumental, A Roda, Treminhão), Blues (Pedro Quental, Beto Kaiser), Rock ou Pop (Volver, Carfax, Rádio de Outono, Parafusa, Mula Manca e a Triste Figura), Samba (Mônica Feijó e Choro Brasil), Swing ou ‘Mangue’ (Bonsucesso Samba Clube e Mombojó - a confirmar, Ortinho, Negroove, Eddie), Brega (Academia da Berlinda, Victor Camarote e banda Arquibancada), Rock’n’Roll (Má Companhia com participação de Lula Côrtes) e Eletrônica com regional (Eta Carinae).

Como resultado de O Frevo, uma grande banda foi formada com vários integrantes das várias bandas que integraram o projeto. A estréia foi no encerramento do grande dia de celebrações pelo Centenário do Frevo, no do 9 de fevereiro de 2007, no Marco Zero.  “A Troça”, como ficou sendo chamada, um grupo de 22 músicos pernambucanos de várias tendências musicais e mais 25 intérpretes se apresentaram ainda no Dia do Frebvo em 2008. Entre eles, Siba, Maciel Salu, Lula Queiroga, Mônica Feijó, Pedro Quental, Ortinho, Fábio Trummer e Publius Lentulus.
INTÉRPRETES (25): Fred 04, Siba, Tibério Azul, China, Diogo, Mônica Feijó, Jr. Black, Silvério Pessoa, Isaar, Iana Reckman, Cannibal, Roger Man, Fabinho Trummer, Dirceu Melo, Pedro Quental, Lula Queiroga, Ortinho, Felipe S., Maciel Salú, Bruno Souto, Bárbara Jones, Spider, Edilza, Victor Camarote, Tiago Andrade, 

TROMBONADA (6):Nilsinho Amarante, Cléber Silva, Flávio Souza, Marconi Nascimento, Alexandre Magno 
PART. ESPECIAL:
Tiago Andrade (Zé Cafofinho) - rabeca em Ceroula

BANDA (22): André Édipo, Breno Lira, Publius Lentulus, Areia, Juliano Ribeiro, Spok, Rafinha, O Rafa, Dyo, Nilsinho Amarante, Germerson Netto, Enok Chagas, Márcio Cabecinha, Homero Basílio, Amarelo, Guitinho, Isaar, Priscilla Borel, Lucas Araújo, Vicente Machado, Gabriel Furtado, Igor Medeiros 

PRODUÇÃO:
Sergio Leão

REPERTÓRIO
1- Passo de Anjo (João Lira e Spok)
2- Fazendo fumaça (J. Michiles)
canta: Fred 04, Siba e Tibério
3- Carnaval (Mula Manca e a Triste Figura)
canta: Tibério e China
4- Energia (Lula Queiroga)
canta: China e Diogo
5- Longa canção sobre o grande amor (Parafusa)
canta: Diogo e Mônica Feijó
6- Trombone de prata (Capiba)
canta: Mônica Feijó,  Jr. Black e Silvério Pessoa
7- Vida Boa (Eddie)
canta: Jr. Black, Isaar e Silvério Pessoa
8- Cabelo de Fogo (Maestro Nunes)
9- Paraquedista (Roberto Bozan)
canta: Isaar e Iana Reckman
10- Eu tenho pressa (Devotos do Ódio)
canta: Iana Reckman e Canibal
part. Trombonada
11- É de fazer chorar (Luiz Bandeira)
canta: Canibal, Roger Man e Fabinho Trummer
12- Não me ame (Ortinho)
canta: Roger Man, Fabinho Trumer, Dirceu Melo
13- Ceroula – Hino da troça + Pópó pópó
canta: Dirceu Melo e Pedro Quental
14- Sabe lá o que é isso
canta: Pedro Quental e Lula Queiroga
ENTRA: Ortinho (fala)
15- Pot Pourri 1: Evocação nº 1 / Medeira que cupim não roi / Frevo nº 1 (intro; Vassourinhas)
canta: Ortinho, Felipe S. e Maciel Salú
ENTRA: Jr. Black – fica: Ortinho, Felipe S. e Maciel Salú
16- Pot Pourri 2: Oh, Bela / Hino do elefante / Hino do galo
chama – canta: Bárbara Jones, Victor Camarote, Edilza, Spider, Bruno Souto, Pedro Quental, Lula Queiroga, Silvério Pessoa, Dirceu Melo, Fabinho Trummer, Roger Man, Canibal, Iana Reckman, Isaar, Mônica Feijó, Diogo, China, Tibério, Siba e Fred 04.

CD Recife Frevoé

A Prefeitura do Recife lançou no início de 2008 o CD Recife Frevoé, coleção em digipack dos cinco CDs do festival homônimo, saídos originalmente nos anos 90. Produzidos por Carlos Fernando, com participações de artistas locais e nomes consagrados nacionalmente como Paulinho da Viola, Maria Bethânia, Chico Buarque e Lenine.
O Recife Frevoé foi um concurso de músicas carnavalescas instituído pela prefeitura, com apoio da TV Jornal, cuja primeira edição aconteceu em 1996. O disco inaugural da série foi lançado no ano seguinte, em 2001. O compositor Carlos Fernando, convidado para produzir os CDs do festival, aplicou neles a fórmula empregada no projeto Asas da América, ou seja, mesclou as composições inéditas, com clássicos do frevo.


Consurso de Música Carnavalesca Pernambucana

Em 2006 o prefeito João Paulo anunciou, novidades na edição daquele ano do Concurso de Música Carnavalesca. Os compositores premiados em cinco gêneros diferentes: frevo canção, frevo de rua, frevo de bloco, caboclinho e maracatu tiveram um aumento significativo na premiação que era de R$ 500. As premiações para os primeiros, segundos e terceiros colocados de cada categoria passou para R$ 30 mil, R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente, e ainda R$ 5 mil para melhores arranjador e intérprete, cada um.

Um fato inédito aconteceu na edição 2007 do Concurso: 726 compositores, de todo o Brasil, inscreveram seus trabalhos para concorrer à premiação. Para se ter uma idéia, em 2006, foram 135 composições inscritas, menos de 20% do número de inscrições efetuadas neste Concurso. Além de várias cidades pernambucanas, outras 11 cidades de sete estados (RJ,RN,PB, SP, PI, BA, SC) tiveram representação.

Os 30 finalistas do Concurso de Música Carnavalesca Pernambucana 2006/2007 se apresentaram nos dias 24 e 25 de novembro, no Teatro do Parque, quando foram escolhidas as músicas vencedoras das cinco categorias, com gravação e transmissão da TV Globo.
O lançamento do CD com direção musical do Mestro Nenéu Liberalquino e participação da Orquestra de Frevo da Banda Sinfônica Cidade do Recife.aconteceu antes do carnaval com grande festa no Teatro de Santa Isabel com participação dos quinze vencedores.


Em 2007 a premiação continuou a mesma com lanlamento do CD também no teatro de Santa Isabel, em novembro.

Jornada de Orquestras Itinerantes

Em dezembro de 2007 a cidade assistiu a 3º Jornada de Orquestras Itinerantes, realizada pela primeira vez no Parque Treze de Maio
e organizado pela gerência de Música da Fundação de Cultura Cidade do Recife.. De lá, mais de 30 orquestras d efrevo pernambucanas seguiram em direção ao Marco Zero. Entre elas, a Orquestra Imperial, 100% Mulher, Independente do Ibura e 10 de Agosto. Muitas têm décadas de carnavais. O encontro, foi uma grande oportunidade de confraternização desses músicos.


Freviocas Turbinadas

Próximo aos seus 28 anos de criação, as Freviocas I e II ganharam reforços para sair às ruas no Centenário do Frevo. Dois novos geradores foram adquiridos para as duas Freviocas, o que garantirá aos foliões uma maior qualidade sonora e, aos músicos, a experiência de poder utilizar, ao máximo, a capacidade de seus instrumentos. No total, foram investidos cerca de 100 mil reais.

Outros equipamentos comprados: fones de ouvido para os músicos (o que irá garantir um melhor retorno de som); reguladores estabilizadores sem fio; 24 microfones para os instrumentos de sopro (possibilitando uma maior performance dos músicos, como manda o ritmo do frevo).


Medalha do Centenário do Frevo

A Prefeitura do Recife homenageou 100 personalidades, anônimos ou conhecidos do grande público, que lutam pela preservação e memória do ritmo pernambucano. A solenidade aconteceu no dia 9 de fevereiro no Teatro do Parque, a partir das 10h.Da relação de homenageados fizeram parte compositores, escritores, músicos, maestros, artistas plásticos, passistas, porta -estandartes, políticos, jornalistas, empresários, cantores e intérpretes que contribuíram e continuam contribuindo para a difusão do Frevo, através das suas artes, ao longo desses 100 anos. Alguns serão lembrados in memorian. Nomes conhecidos nacionalmente como Antônio Nóbrega, Claudionor Germano, Alceu Valença, Elba Ramalho e Spok estarão presentes.


Homenageados: 

 

 

 

 

 

NOME

 

 

 

 

 

SEGMENTO

 

 

 

 

 

JUSTIFICATIVA

 

 

 

 

 

01

 

 

 

 

 

Abelardo da Hora

 

 

 

 

 

ARTES PLÁSTICAS

 

 

 

 

 

Artista plástico e escultor, autor de várias obras sobre as manifestações populares de Pernambuco com ênfase para o carnaval

 

 

 

 

 

02

 

 

 

 

 

Ademir Araújo (maestro Formiga)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Compositor, músico, arranjador e maestro e autor de várias obras sobre o tema.

 

 

 

 

 

03

 

 

 

 

 

Alceu Valença

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Cantor, músico e compositor.

 

 

 

 

 

04

 

 

 

 

 

Alcides Leão

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor de vários frevos.

 

 

 

 

 

05

 

 

 

 

 

Aldemar Paiva

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Radialista, escritor e compositor.

 

 

 

 

 

06

 

 

 

 

 

Alex (José de Souza Alencar)

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Escritor, cronista social, ex-integrante da Comissão dos Cronistas Carnavalescos e da Comissão Promotora do Carnaval.

 

 

 

 

 

07

 

 

 

 

 

Alírio Moraes

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Poeta e compositor. Autor de várias marchas de bloco

 

 

 

 

 

08

 

 

 

 

 

Antônio Maria

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Jornalista e compositor.

 

 

 

 

 

09

 

 

 

 

 

Antônio Nóbrega

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, instrumentista, compositor, intérprete e dançarino.

 

 

 

 

 

10

 

 

 

 

 

Antúlio Madureira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, instrumentista, compositor e intérprete.

 

 

 

 

 

11

 

 

 

 

 

Arnaldo Francisco das Neves (Coruja)

 

 

 

 

 

DANÇA

 

 

 

 

 

Músico e 1º passista a levar o “passo” para fora do Estado.

 

 

 

 

 

12

 

 

 

 

 

Balé Popular do Recife – André Madureira

 

 

 

 

 

DANÇA

 

 

 

 

 

Criada em 1975 foi o primeiro grupo de danças populares a manter espetáculos em teatros locais e levar ao exterior o frevo em forma de dança e música.

 

 

 

 

 

13

 

 

 

 

 

Banda-de-Pau e Corda

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

 A Banda de Pau e Corda marcou época no carnaval do Recife, durante os anos 80 quando faziam sucesso absoluto na praia de Boa Viagem.

 

 

 

 

 

14

 

 

 

 

 

Bráulio de Castro

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

compositor de vários sucessos nacionais nas vozes de Nando Cordel, Noite Ilustrada, Caju e Castanha, Benito de Paula, Luiz Américo, e outros.

 

 

 

 

 

15

 

 

 

 

 

Capiba (Lourenço da Fonseca Barbosa)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

16

 

 

 

 

 

Capitão Zuzinha (José Lourenço da Silva)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor do frevo de rua “Divisor de Águas”, marco na história da música carnavalesca de Pernambuco.

 

 

 

 

 

17

 

 

 

 

 

Carlos Fernando

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Compositor e produtor artístico.

 

 

 

 

 

18

 

 

 

 

 

Carnera

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e autor de vários frevos de sucessos.

 

 

 

 

 

19

 

 

 

 

 

Claudionor Germano

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Considerado o maior intérprete de frevo canção de todos os tempos e o preferido de Capiba e de Nelson Ferreira.

 

 

 

 

 

20

 

 

 

 

 

Clóvis Pereira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

21

 

 

 

 

 

Coral Edgard Moraes

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músicos e intérpretes.

 

 

 

 

 

22

 

 

 

 

 

Diários Associados (Rádio, Jornal e TV).

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Imprensa.

 

 

 

 

 

23

 

 

 

 

 

Dimas Sedícias

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

24

 

 

 

 

 

Duda (José Ursicino da Silva)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

25

 

 

 

 

 

Edgard Moraes

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

26

 

 

 

 

 

Edite Gomes da Silva

 

 

 

 

 

CARNAVALESCA

 

 

 

 

 

Carnavalesca, integrante do coral e fundadora da ala feminina do Bloco Batutas de São José.

 

 

 

 

 

27

 

 

 

 

 

Edmar Lopes

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco

 

 

 

 

 

28

 

 

 

 

 

Edson Rodrigues

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, professor, compositor, arranjador e maestro

 

 

 

 

 

29

 

 

 

 

 

Egídio Bezerra

 

 

 

 

 

DANÇA

 

 

 

 

 

Passista.

 

 

 

 

 

30

 

 

 

 

 

Elba Ramalho

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Cantora e instrumentista carnaval.

 

 

 

 

 

31

 

 

 

 

 

Enéias Freire

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco. Criador e fundador do Galo da Madrugada e seu atual presidente.

 

 

 

 

 

32

 

 

 

 

 

Escola Municipal de Frevo

 

 

 

 

 

DANÇA

 

 

 

 

 

Passistas.

 

 

 

 

 

33

 

 

 

 

 

Eugênio Fabrício (Eugênio Fabrício da Silva)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, arranjador e compositor.

 

 

 

 

 

34

 

 

 

 

 

Evandro Rabello

 

 

 

 

 

PESQUISA

 

 

 

 

 

Pesquisador, historiador e compositor

 

 

 

 

 

35

 

 

 

 

 

Expedito Baracho

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e intérprete.

 

 

 

 

 

36

 

 

 

 

 

Felinho (Félix Lins de Albuquerque)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, arranjador, compositor e autor da variação original da marcha nº 1 do Clube Vassourinhas.

 

 

 

 

 

37

 

 

 

 

 

Fernando Zacarias (Porta Estandarte)

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Um dos mais premiados Porta-Estandartes do carnaval do Recife

 

 

 

 

 

38

 

 

 

 

 

Geraldo Almeida

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco e compositor

 

 

 

 

 

39

 

 

 

 

 

Geraldo Santos

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e maestro.

 

 

 

 

 

40

 

 

 

 

 

Getúlio Cavalcante

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e interprete.

 

 

 

 

 

41

 

 

 

 

 

Gildo Moreno

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor escreveu memoráveis frevos canções que marcaram época nos nossos carnavais

 

 

 

 

 

42

 

 

 

 

 

Guedes Peixoto

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

43

 

 

 

 

 

Hugo Martins

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Compositor, pesquisador e divulgador.

 

 

 

 

 

44

 

 

 

 

 

Irmãos Valença

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músicos e compositores.

 

 

 

 

 

45

 

 

 

 

 

Ivanildo Silva

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e intérprete.

 

 

 

 

 

46

 

 

 

 

 

J. Michiles

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e intérprete.

 

 

 

 

 

47

 

 

 

 

 

João Batista - Boêmio (Porta Estandarte)

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco.

 

 

 

 

 

48

 

 

 

 

 

João Santiago

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e autor do Hino do Bloco Batuta de São José

 

 

 

 

 

49

 

 

 

 

 

Jones Albuquerque

 

 

 

 

 

ADERECISTA

 

 

 

 

 

Carnavalesco.

 

 

 

 

 

50

 

 

 

 

 

José Constantino

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

51

 

 

 

 

 

José Menezes

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro. Autor do primeiro Frevo Canção gravado na Fabrica de Discos Rozenblit

 

 

 

 

 

52

 

 

 

 

 

José Rozenblit

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Produtor e divulgador. Fundador da primeira e única fabrica de disco do Nordeste em 1953.

 

 

 

 

 

53

 

 

 

 

 

José Teles

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Jornalista, escritor e crítico de música do JC.

 

 

 

 

 

54

 

 

 

 

 

Leda Alves

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Pesquisadora, divulgadora e produtora.

 

 

 

 

 

55

 

 

 

 

 

Lenhadores do Recife, Clube Carnavalesco Misto

 

 

 

 

 

AGREMIAÇÃO
CENTENÁRIA

 

 

 

 

 

O Clube Lenhadores foi fundado a 05 de março de 1897, no antigo Beco das Barreiras, nome da atual José de Alencar, na Boa Vista.

 

 

 

 

 

56

 

 

 

 

 

Leonardo Dantas

 

 

 

 

 

PESQUISA

 

 

 

 

 

Jornalista, pesquisador e escritor.

 

 

 

 

 

57

 

 

 

 

 

Levino Ferreira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

58

 

 

 

 

 

Liberato Costa Jr.

 

 

 

 

 

POLÍTICA

 

 

 

 

 

Vereador, ex-Prefeito, compositor e carnavalesco.

 

 

 

 

 

59

 

 

 

 

 

Lima Neto, Hermínio de

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Radialista, locutor, folclorista e estudioso do nosso carnaval.

 

 

 

 

 

60

 

 

 

 

 

Lourival Oliveira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

61

 

 

 

 

 

Luiz Boquinha (Luiz de França)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e poeta popular

 

 

 

 

 

62

 

 

 

 

 

Luiz Bandeira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

63

 

 

 

 

 

Luiz Faustino

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

64

 

 

 

 

 

Luiz Guimarães

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e produtor.

 

 

 

 

 

65

 

 

 

 

 

Lula Cardoso Ayres

 

 

 

 

 

ARTES PLÁSTCAS

 

 

 

 

 

Artista plástico de renome internacional e autor de vários trabalhos sobre o tema do carnaval.

 

 

 

 

 

66

 

 

 

 

 

Marambá (José Mariano da Fonseca Barbosa)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor.

 

 

 

 

 

67

 

 

 

 

 

Marcelo Varella

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Jornalista, compositor, fundador do “Bloco da Saudade” .

 

 

 

 

 

68

 

 

 

 

 

Mário Orlando

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco, ex-presidente da tradicional Troça Cachorro do Homem do Miúdo .

 

 

 

 

 

69

 

 

 

 

 

Mário Souto Maior

 

 

 

 

 

LITERATURA

 

 

 

 

 

Escritor, pesquisador, autor de vários trabalhos ligados a cultura pernambucana.

 

 

 

 

 

70

 

 

 

 

 

Mathias da Rocha

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor .

 

 

 

 

 

71

 

 

 

 

 

Miriam Leite

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Pesquisadora, radialista, divulgadora e produtora .

 

 

 

 

 

72

 

 

 

 

 

Narcizo do Banjo

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, fundador de vários blocos carnavalescos, destacando-se entre eles: Bloco Banhistas do Pina, Batutas de São José, Inocentes do Rosarinho, Aurora de Amor, entre outros. .

 

 

 

 

 

73

 

 

 

 

 

Nascimento do Passo

 

 

 

 

 

DANÇA

 

 

 

 

 

Passista de renome nacional.

 

 

 

 

 

74

 

 

 

 

 

Nelson Ferreira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

75

 

 

 

 

 

Nenéu Liberalquino, maestro

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Maestro, violonista, professor, compositor e arranjador.

 

 

 

 

 

76

 

 

 

 

 

Nunes, maestro (José de Souza Nunes)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Maestro, músico, compositor e arranjador.

 

 

 

 

 

77

 

 

 

 

 

Pás Douradas, Clube Carnavalesco Misto das

 

 

 

 

 

AGREMIAÇÃO
CENTENÁRIA

 

 

 

 

 

Um dos clubes de maior sucesso e representatividade do carnaval pernambucano.

 

 

 

 

 

78

 

 

 

 

 

Pelópidas Silveira

 

 

 

 

 

POLÍTICA

 

 

 

 

 

Ex-Prefeito sancionou a lei municipal que torna obrigatório a realização do Concurso de Música Carnavalesca e o Desfile Oficial das Agremiações, durante os anos 50.

 

 

 

 

 

79

 

 

 

 

 

Quinteto Violado

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Instrumentistas, cantores e arranjadores.

 

 

 

 

 

80

 

 

 

 

 

Rádio e TV Universitária

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Imprensa.

 

 

 

 

 

81

 

 

 

 

 

Raul Moraes

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e arranjador.

 

 

 

 

 

82

 

 

 

 

 

Rede Globo Nordeste

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Imprensa.

 

 

 

 

 

83

 

 

 

 

 

Rede Tribuna

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Imprensa.

 

 

 

 

 

84

 

 

 

 

 

Renato Phaelante

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Radialista, produtor musical e coordenador geral da área de som e imagem da Fundação Joaquim Nabuco.

 

 

 

 

 

85

 

 

 

 

 

Roberto Benjamim

 

 

 

 

 

PESQUISA

 

 

 

 

 

Escritor, pesquisador e historiador.

 

 

 

 

 

86

 

 

 

 

 

Romero Amorim

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Poeta e compositor.

 

 

 

 

 

87

 

 

 

 

 

Rubem Martins Silva

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco e ex-presidente da Troça Abanadores do Arruda.

 

 

 

 

 

88

 

 

 

 

 

Samuel Valente

 

 

 

 

 

PESQUISA/ MÚSICA

 

 

 

 

 

Compositor e pesquisador.

 

 

 

 

 

89

 

 

 

 

 

Senor (Senival Bezerra)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico e compositor.

 

 

 

 

 

90

 

 

 

 

 

Sevy Caminha (Pierrô de São José)

 

 

 

 

 

CARNAVALESCA

 

 

 

 

 

Carnavalesca. Costureira, aderecista, trabalhou nas grandes Agremiações tradicionais do Bairro de São José

 

 

 

 

 

91

 

 

 

 

 

Sistema Jornal do Commércio de Comunicação

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Imprensa

 

 

 

 

 

92

 

 

 

 

 

Spok (Inaldo Albuquerque)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e líder da SpokFrevo Orquestra.

 

 

 

 

 

93

 

 

 

 

 

Stélio Gonçalves

 

 

 

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Jornalista, compositor e cronista carnavalesco.

 

 

 

 

 

94

 

 

 

 

 

Toscano Filho

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, regente e arranjador.

 

 

 

 

 

95

 

 

 

 

 

Vassourinhas do Recife, Clube Carnavalesco Misto

 

 

 

 

 

AGREMIAÇÃO
CENTENÁRIA

 

 

 

 

 

 “Vassourinhas” nasceu no tradicional Bairro de São José, local de origem da maioria das agremiações ainda hoje existentes no Recife.

 

 

 

 

 

96

 

 

 

 

 

Vavá (Lindivaldo de Oliveira Leite)

 

 

 

 

 

CARNAVALESCO

 

 

 

 

 

Carnavalesco e atual Presidente do Bloco Carnavalesco Misto Banhistas do Pina.

 

 

 

 

 

97

 

 

 

 

 

Waldemar de Oliveira

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Escritor, músico e compositor.

 

 

 

 

 

98

 

 

 

 

 

Walmir Chagas

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor e intérprete.

 

 

 

 

 

99

 

 

 

 

 

Zoca (Antônio José Madureira)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 

100

 

 

 

 

 

Zumba (José Gonçalves Júnior)

 

 

 

 

 

MÚSICA

 

 

 

 

 

Músico, compositor, arranjador e maestro.

 

 

 

 

 



Troféu 100 anos do Frevo

O Sport Club do Recife, vencedor do Campeonato Pernambucano 2007, foi agraciado com mais um prêmio além da conquista do bi-campeonato estadual. O time recebeu da Prefeitura do Recife o Troféu 100 Anos do Frevo, em comemoração ao centenário do ritmo. A estatueta foi entregue à Federação Pernambucana de Futebol (FPF) e repassada às mãos dos jogadores no dia 11 de abril de 2007 durante a partida final entre Sport e Santa Cruz. O troféu 100 Anos do Frevo foi criado pelo artista plástico Sávio
Araújo. A escultura em bronze representa um passista dançando o passo conhecido por parafuso sobre uma bola, sustentado por quatro pilares confeccionados em aço escovado. Simbolizam afinidades, identidades e conceitos entre o futebol e o frevo, tendo a criatividade como traço em comum a ambos.

 
Paço do Frevo

A Prefeitura do Recife e a Fundação Roberto Marinho assinaram no dia 9 de fevereiro um convênio para a instalação, no Bairro do Recife, do Paço do Frevo, um espaço direcionado à difusão, promoção e divulgação do ritmo, além de capacitação e apoio profissional na área.

O lançamento do espaço foi feito pelo prefeito João Paulo Lima e Silva e pelo presidente da Fundação Roberto Marinho, José Roberto Marinho, no edifício Western, localizado na Praça do Arsenal, nº 91, onde ele funcionará. A iniciativa está orçada em R$ 5 milhões. A Prefeitura já entrou com R$ 150 mil que vão ser utilizados nas pesquisas iniciais para a criação do novo espaço e mais R$ 1,2 milhão para aquisição do imóvel. O restante dos recursos serão captados junto a empresas públicas e privadas.

O prédio, de 2.200 m2 e com quatro pavimentos, abrigará um centro cultural inteiramente destinado ao Frevo, com biblioteca, sala de pesquisa, salas de aula e de exposição, auditório, café e loja para comercialização de produtos. O térreo abrigará uma exposição permanente sobre a história, origem e evolução do frevo com objetos, textos e fotografias.  Neste mesmo pavimento estarão a biblioteca, onde o usuário terá acesso a todo tipo de publicação relativo ao tema e a sala de pesquisa onde ficarão armazenados partituras, fotografias, vídeos etc. 

No primeiro andar ficarão as salas de aulas onde profissionais da área de música e dança poderão desenvolver atividades lúdicas para crianças, adultos, idosos e turistas além de servir para ensaios de grupos. Nesta área também haverá estúdio para gravação. A adminsitração do esquipamento ficará a cargo da Prefeitura do Recife

O edifício passará por uma reforma para adaptação arquitetônica e estrutural, restauração das fachadas e  adaptação dos seus espaços internos, além de instalações elétrica e hidráulica e climatização.


Arrastão do Frevo

No dia 9 de fevereiro, a partir das 16h30, músicos, maestros, orquestras de frevo e blocos líricos se reuniram no Pátio de São Pedro para a concentração do Arrastão do Frevo, que percorreu as ruas do Centro do Recife, sob comando de Antônio Carlos Nóbrega. Uma queima de fogos anunciou a saída e o cortejo seguiu pela Dantas Barreto, Praça do Diário e Praça da República, até chegar à Praça do Marco Zero.

O grande cortejo reuniu os maestros que vêm regendo o frevo nos grandes carnavais da cidade, como Maestro Nunes, um dos homenageados do Carnaval Multiculturak do Recife 2007, Maestro Duda, Maestro Clóvis Pereira, Maestro Mendes, Maestro Edson Rodrigues, Maestro Spok e Maestro Ademir Araújo, além do frevo da Orquestra Harmonia, a irreverência do Clube Pavão Misterioso, Clube Bola de Outro, a tradição do Reizado Imperial e a alegria da Troça Jumenta Jurubeba. O cortejo foi arrastado pela Frevioca.


Calouros do Frevo

Destinado a estimular o contato de crianças e adolescentes de 10 a 16 anos com o frevo, a Prefeitura do Recife realizou o concurso Calouros do Frevo. Dos inscritos, foram selecionados pela Comissão Organizadora do Concurso 24 calouros sendo 12 meninos e 12 meninas, que defenderam as músicas nas eliminatórias. Esse processo inicial de seleção aconteceu entre os dias 12 e 14 de fevereiro. O resultado foi publicado no dia 15 de fevereiro no site da Prefeitura. As finais do concurso aconteceram no mês de março em vários shoppigs da cidade. Victor Michilles e Marcela Calas conquistaram a primeira colocação no dia 17 de março e levaram para casa ainda um prêmio de R$ 10 mil. Os segundos colocados ganharam R$ 5 mil e os terceiros R$ 3mil.

Os seis ganhadores do concurso (Marcela Caldas, Victor Michilles, Clara Bianca de Oliveira, Marcos Aurélio Freire, Érica Barreto e Fillype Albino), tiveram seu primeiro contato com o grande público no dia 7 de abril, após o espetáculo da Paixão de Cristo do Recife, no Marco Zero, quando fizeram uma participação especial no show da Orquestra Popular do Recife, regida pelo maestro Ademir Araújo. A relação de carinho entre os partipantes do concurso e Ademir Araújo começou ao longo da disputa. Cada intérprete ensaiou e defendeu suas músicas com a Orquestra Popular do Recife durante o mês de março. Numa das semifinais, o maestro colocou-se a disposição do grupo para, independente do resultado, ensaiarem e se aprimorarem quando quisessem coma orquestra.

 

Seminário 100 Anos do Frevo

Dando continuidade as ações que marcam o Centenário do Frevo, a Prefeitura do Recife realizarou, de 24 a 26 de abril de 2007, no Recife Praia Hotel, um seminário para uma discussão profunda sobre o ritmo.

Além de pesquisadores e produtores ligados à administração municipal, o evento contaou ainda com convidados do Iphan, Fundação Joaquim Nabuco, Sindicato dos Músicos de Pernambuco, Centro de Música Carnavalesca de Pernambuco,além de integrantes da comunidade carnavalesca do estado. O seminário foi construído
com base em diálogos intensos realizados com a comunidade produtora (agremiações, grupos de dança, passistas, compositores, intérpretes), estudiosos, especialistas e população em geral, acerca do frevo como uma expressão cultural genuinamente pernambucana e brasileira.

De acordo com a gerente de formação da Fundação d Cultura Cidade do Recife, Zélia Sales, o evento teve a intenção de proporcionar um espaço de discussão, provocando na sociedade civil um sentimento de pertença do frevo, além de   promover o conhecimento crítico e    compreender o frevo enquanto uma expressão de resistência e identidade da grande massa.


Desfile da Mangueira

No dia 22 de maio, a Prefeitura do Recife assinou com a presidência do Grêmio Recreativo Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, o contrato de co-patrocínio para o desfile da agremiação durante o Carnaval 2008, que teve como enredo 100 anos do Frevo. É de perder o sapato. Recife mandou me chamar. Foi mais uma ação da Prefeitura do Recife no intuito de preservar e difundir o ritmo que, por solicitação da administração municipal, em 2007 recebeu do Ministério da Cultura o Registro de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, na data em que ele completou seu centenário, 9 de fevereiro.  O Patrocínio à Mangueira visou beneficiar o desenvolvimento e ampliação do turismo na cidade e valorizar a cultura recifense com a divulgação na mídia nacional e internacional.

Liberdade nas Ondas do Rádio

Com o objetivo de fortalecer a comunicação popular como instrumento de conscientização e valorização da cultura o Projeto Liberdade nas Ondas do Rádio, homenageou o centenário do frevo. A terceira edição do projeto caracterizou-se como um guia de mídia, uma ferramenta de aproximação entre os artistas pernambucanos e as emissoras de rádio, tanto comerciais quanto comunitárias.  Com esse trabalho ganhou do Ministério da Cultura o
Prêmio Culturas Populares 2007 – Mestre Duda 100 Anos de Frevo.

ARTISTAS/CD’S PARTICIPANTES

Claudionor Germano
Getúlio Cavalcanti
Nena Queiroga
Edy Carlos
Maestro Ademir Araújo e Orquestra Popular do Recife
Maestro Forró e Orquestra Popular da Bomba do Hemetério
CD “100 anos de Frevo: é de perder o sapato”
CD “Concurso de música carnavalesca pernambucana 2006/2007”.

RÁDIOS COMUNITÁRIAS PARTICIPANTES

Ação

 

 

 

 

 

Engenho do Meio

 

 

 

 

 

98,7

 

 

 

 

 

Adrenalina

 

 

 

 

 

Alto Santa Izabel - Casa Amarela

 

 

 

 

 

92,3

 

 

 

 

 

Alternativa

 

 

 

 

 

Estrada do arraial, 3900 – 1º andar, sala 108

 

 

 

 

 

98,1

 

 

 

 

 

Alternativa

 

 

 

 

 

Engenho Maranguape – Paulista

 

 

 

 

 

98,1

 

 

 

 

 

Alto Falante

 

 

 

 

 

Rua Severino Bernardino Pereira, 350
Box 7 - Alto José do Pinho

 

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

Boas Novas

 

 

 

 

 

Dois Unidos

 

 

 

 

 

106,3

 

 

 

 

 

Boca da Ilha

 

 

 

 

 

Ilha de Deus

 

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

Brisa

 

 

 

 

 

Várzea

 

 

 

 

 

104,7

 

 

 

 

 

Dimensão

 

 

 

 

 

Rua Ana Carneiro de Albuquerque, 93B, Totó

 

 

 

 

 

104,5

 

 

 

 

 

Guabiraba

 

 

 

 

 

Guabiraba

 

 

 

 

 

90,9

 

 

 

 

 

JBR

 

 

 

 

 

Jardim Beira Rio – Pina

 

 

 

 

 

98,3

 

 

 

 

 

Liroral

 

 

 

 

 

Vasco da Gama

 

 

 

 

 

93,9

 

 

 

 

 

Mídia

 

 

 

 

 

Alto José Bonifácio

 

 

 

 

 

107,3

 

 

 

 

 

Morada

 

 

 

 

 

Avenida Caxangá

 

 

 

 

 

91,1

 

 

 

 

 

No PE do ouvido

 

 

 

 

 

Programa produzido para 10 rádios comunitárias da Região Metropolitana

 

 

 

 

 

**

 

 

 

 

 

Panorâmica

 

 

 

 

 

Jardim São Paulo

 

 

 

 

 

105,1

 

 

 

 

 

Pernambuco

 

 

 

 

 

Bomba do Hemetério

 

 

 

 

 

93,1

 

 

 

 

 

Planet som

 

 

 

 

 

Av. Stª Fé, 240 – UR2/Ibura

 

 

 

 

 

*

 

 

 

 

 

Plenitude

 

 

 

 

 

Alto dos Coqueiros – Beberibe

 

 

 

 

 

105,3

 

 

 

 

 

Projeção

 

 

 

 

 

Vila Rica – Jaboatão

 

 

 

 

 

102,5

 

 

 

 

 

R.C.C.

 

 

 

 

 

Coelhos

 

 

 

 

 

102,7

 

 

 

 

 

São Miguel

 

 

 

 

 

Guabiraba

 

 

 

 

 

95,5

 

 

 

 

 

Sedução

 

 

 

 

 

Alto do Cruzeiro – Paudalho

 

 

 

 

 

92,3

 

 

 

 

 

Studio

 

 

 

 

 

Ouro Preto - Olinda.

 

 

 

 

 

97,9

 

 

 

 

 

*Rádio poste - **Várias Frequências


RÁDIOS COMERCIAIS PARTICIPANTES
Rádio                                    Endereço                                                            Freqüência                   

 

 

 

 

 

CBN

 

 

 

 

 

Rua do Lima, 250 - Santo Amaro

 

 

 

 

 

90,3 FM

 

 

 

 

 

FOLHA

 

 

 

 

 

Avenida Marquês de Olinda, 85
Edf. Alberto Fonseca/2º andar – bairro do Recife

 

 

 

 

 

96,7 FM

 

 

 

 

 

JORNAL

 

 

 

 

 

Rua do Lima, 250 – Santo Amaro

 

 

 

 

 

780 AM

 

 

 

 

 

JOVEM CAP

 

 

 

 

 

Rua Coronel Urbano de Sena, 956 - Cajueiro

 

 

 

 

 

1240 AM

 

 

 

 

 

CLUBE

 

 

 

 

 

Rua do Veiga, 600 – Santo Amaro

 

 

 

 

 

720 AM

 

 

 

 

 

CLUBE

 

 

 

 

 

Rua do Veiga, 600 – Santo Amaro

 

 

 

 

 

99,1 FM

 

 

 

 

 

OLINDA

 

 

 

 

 

Estrada do Passarinho 1415, Caixa d’Água – Olinda

 

 

 

 

 

1030 AM

 

 

 

 

 

TRANSAMÉRICA

 

 

 

 

 

Rua Marquês do Paraná, 266 - Espinheiro

 

 

 

 

 

92,7 FM

 

 

 

 

 

UNIVERSITÁRIA

 

 

 

 

 

Campus da UFPE – Cidade Universitária (por trás da reitoria)

 

 

 

 

 

820 AM

 

 

 

 

 

UNIVERSITÁRIA

 

 

 

 

 

Avenida Norte, 68 – Santo Amaro

 

 

 

 

 

99,9 FM

 

 

 

 

 

MARAVILHA

 

 

 

 

 

Rua da Misericórdia, 101 (1º andar) – Goiana/PE

 

 

 

 

 

88,5 FM

 

 

 

 

 



Concurso Ensaio sobre o Frevo

Visando estimular o interesse pela história das tradições carnavalescas recifenses, a Prefeitura do Recife realizou em novembro de 2007 o Concurso de Ensaios sobre o Frevo. O vencedor foi o jornalista José Teles, premiado com o trabalho “A Difícil caminhada do frevo para chegar aos cem anos”. Ele foi premiado com  R$ 5 mil e ainda terá direito à publicação que integrará a coleção Malungo, da Fundação de Cultura Cidade do Recife.Teles foi em busca das peculiaridades do centenário ritmo pernambucano, as atitudes arbitrárias e xenófobas tomadas em sua defesa, e narrou origens e casos que foram registrados no ensaio. No concurso, concorreram outros quatro textos, entre eles O canto do frevo – letras e vozes do frevo canção, de Júlio Vila Nova, que recebeu menção honrosa. Com anos de pesquisas, do arquivo do JC a exemplares antigos de revistas e livros, Teles costurou peças perdidas, buscou os pormenores e conseguiu um grande acervo de pequenos e grandes momentos. Desde os primeiros acordes às versões baianas.

Livro Panorama de um Folião (Júlio Vilanova)


No passo das comemorações pelo Centenário do Frevo, a Fundação de Cultura Cidade do Recife patrocinou o livro Panorama de Folião: o Carnaval de Pernambuco na Voz dos Blocos Líricos, do professor e mestre em linguística Julio Vila Nova.  Na publicação Vila Nova defende a tese de que o frevo-de-bloco é um gênero fortemente marcado, em suas letras, pelo desenvolvimento de estratégias discursivas próprias da linguagem da propaganda, com ênfase na exaltação aos valores da cultura pernambucana. Assim, encontram-se no cancioneiro dos blocos, por exemplo, a reverência a personalidades da nossa história e do universo carnavalesco, a descrição poética de paisagens típicas das cidades (Recife, Olinda e outras) e a louvação à beleza do próprio carnaval.

Além disso, o escritor enfatiza a importância da canção popular para o estudo e compreensão da realidade brasileira, ao longo de um século de história, desde os primeiros registros fonográficos. Trata ainda de contextualizar os blocos líricos e o frevo-de-bloco no panorama das manifestações do carnaval pernambucano, desde suas origens.

A obra é destinada a leitores interessados em cultura popular, música e carnaval, além de ser fonte de pesquisa para estudos sobre linguagem e discurso. Foi defendida como dissertação de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, na área de Lingüística, em 2006.


Concerto em homenagem aos 100 Anos do Frevo no aniversário do Recife

A Prefeitura do Recife homenageou o Centenário do comemorações pelos 470 anos da cidade, em12 de março de 2007.  A festa começou no dia 10 quando o Marco Zero recebeu, a partir das 18h, as agremiações campeãs do grupo especial do Carnaval Multicultural do Recife 2007 que desfilaram e receberam seus troféus. Nos dias 11 e 12, a Orquestra Sinfônica do Recife e o saxofonista Spok, se uniram num só palco para contar a história do ritmo, sob a regência do maestro Osman Giuseppe Gioia. No primeiro dia, a apresentação aconteceu no Marco Zero e no segundo no Teatro de Santa Isabel, para convidados.

O
show refez o percurso que a música recifense traçou desde o fim século XIX até os dias atuais, mostrando a evolução dos ritmos europeus e brasileiros até a criação do gênero frevo. Entre uma música e outra, Spok, que toca sax, atuou como mestre de cerimônias, contando de uma maneira descontraída como as polcas, maxixes e dobrados foram se adaptando ao calor recifense, gerando uma musicalidade fervente. Na ocasião, passistas da Escola do Frevo do Recife também demonstraram as várias influências que a dança sofreu para dar origem ao passo do frevo.

A montagem, inédita até então na cidade, foi baseada no espetáculo Frevo, Capoeira e Passo de Reinaldo e Fernando Oliveira, inspirado no livro homônimo do pai, Valdemar de Oliveira. A concepção dos arranjos musicais foi dos maestros  pernambucanos Duda,  Marcos César Araújo e Nilson Lopes. O show contou ainda com a participação do experiente baterista Adelson Silva, que toca na SpokFrevo Orquestra, do Coral Edgar Moraes e do cantor Claudionor Germano. Participaram ainda como músicos convidados Gilberto Pontes (sax tenor), Lúcio Vieira (sax tenor), Gilmar Black (sax alto), Kebinha (sax alto), Edson Costa (sax barítono), Renato Bandeira (guitarra), Hélio Silva (baixo elétrico) e Zé Gomes (piano).

Festival Recifense de Literatura

O 4º Festival Recifense de Literatura, realizado pela Prefeitura do Recife em 2006, teve como um dos temas trabalhados os 100 anos do frevo antecipando as comemorações.  Além de homenagear os irmãos Raul e Edgard Moraes, grandes compositores de frevo, painéis e seminários discutiram sobre essa temática.

Ano Letivo 100 anos do Frevo

O Ano Letivo 2007 – 100 anos de frevo, foi marcado por diversos eventos promovidos pela Secretaria de Educação, Esporte e Lazer do Recife. Além dos projetos didáticos desenvolvidos em sala de aula, algumas ações pontuais deram um destaque especial ao mais pernambucano dos ritmos. Já em janeiro a Diretoria de Ensino, através da Gerência de Animação Cultural reuniu 100 alunos, a partir dos 12 anos, de 40 escolas, para montar um espetáculo que traduzisse toda a importância do frevo para a preservação da cultura recifense.

Após semanas de ensaios, os 100 estudantes foram transformados em passistas e passaram a se apresentar em diversas escolas e eventos da rede. As coreografias, comandadas pelos frevos de rua “Vassourinhas”, “Corisco” e “Cabelo de Fogo”, fizeram parte das atividades de férias já no mês de janeiro e também abriram o ano letivo 2007, em fevereiro, ao lado de um show do cantor Silvério Pessoa. A Secretaria de Educação também promoveu uma mostra cultural sobre o frevo na Escola Municipal Diná de Oliveira, envolvendo 2.096 alunos de 57 escolas. O espetáculo ainda foi destaque na Parada Cívico-militar de 07 de setembro.

Nas escolas, além de estudarem a história do frevo, os alunos promoveram atividades recreativas internas e nas comunidades vizinhas. Um dos exemplos de sucesso foi a peça teatral produzida pela Escola Municipal do Engenho do Meio. Sob o título “Descobrindo o Recife nos passos do frevo”, a montagem envolveu dezenas de alunos, na faixa etária dos 10 aos 14 anos, e foi acompanhada por professores, pais e comunidade.

Frevo  na Academia

O centenário do frevo mudou a rotina dos pólos da Academia da Cidade. Os freqüentadores do programa da Prefeitura do Recife receberam aulas gratuitas de ritmos pernambucanos em todos os pólos, com destaque para o frevo, estrela maior da dança no Estado. A idéia era que os adeptos da iniciativa aprendessem os passos tanto para fazer bonito como para ter condicionamento físico durante a maratona de prévias e dias dedicados à farra momesca.
 

Patrocínios e apoios


Livro Frevo 100 Anos de Folia

A editora Timbro lançou em 2008, com co-patrocínio da Prefeitura do Recife, o livro  Frevo - 100 anos de Folia. Com capa dura e edição bilíngüe (Português / Inglês), a publicação destaca a história do ritmo mais popular de Pernambuco – de 1907 até as comemorações do centenário, em 2007. O grande destaque é a coletânea inédita de textos e 200 imagens, que inclui dezenas de fotos de Pierre Verger e Marcel Gautherot, além de obras de Portinari, Vicente do Rego Monteiro, Heitor dos Prazeres, Lula Cardoso Ayres, Augusto Rodrigues, J. Borges e outros. 
Juntamente com informações históricas sobre o frevo – surgido com as bandas militares do Recife – e de sua dança – originária da capoeira -, Frevo – 100 Anos de Folia traz o ritmo e o carnaval do Recife nas palavras de grandes escritores como: Clarice Lispector, Mário de Andrade, Gilberto Freyre, Antônio Maria, José Lins do Rego e Caetano Veloso – além de especialistas, como Valdemar de Oliveira, Leonardo Dantas Silva e Rita de Cássia Barbosa de Araújo.

“O livro foi estruturado a partir das imagens dos ensaios fotográficos realizados por Pierre Verger (em 1947) e Marcel Gautherot (em 1957) no Carnaval do Recife. Em conjunto com outras fotos, obras de arte e textos, a idéia é propiciar ao leitor um passeio pela história dos carnavais do passado e do presente”, indica Camilo Cassoli, coordenador editorial do livro.

Com co-autoria de Luiz Augusto Falcão (Lula Falcão) e Rodrigo Aguiar, Frevo - 100 anos de Folia foi elaborado com patrocínio da Petrobras e co-patrocínio da Prefeitura do Recife. Em suas páginas há várias preciosidades como: foto de Carmen Miranda com um turbante de sombrinhas coloridas (inédita em publicações do gênero) e o manuscrito original da letra “Frevo de Orfeu” - feita por Tom Jobim e Vinicius de Moraes para o filme “Orfeu do Carnaval”, de Marcel Camus. O projeto gráfico e a capa da obra são de João Baptista da Costa Aguiar, um dos mais importantes artistas gráficos do país.

Caixa de Cds O Tema é Frevo – Hugo Martins

Um dos projetos que fazem parte das ações para o Centenário do Frevo é o patrocínio da série carnavalesca O tema é Frevo, composta por 10 Cds, do compositor e apresentador do programa que tem o mesmo nome da série, veiculado na Rádio Universitária, Hugo Martins.
O projeto conta com 8 Lps e 2 Cds com frevos de bloco, de rua e canção que foram remasterizados e compõe esta caixa. Ele é inspirado no programa da Rádio Universitária que existe há 39 anos. As músicas são executadas pela Banda da Polícia Militar de Pernambuco, Coral Bandepe e Orquestra do Centro de Música Carnavalesca de Pernambuco. Além de ter o próprio Hugo como compositor, traz também trabalhos de Nelson Ferreira, Capiba, Toscano Filho, Levino Ferreira, Samuel Valente, Nino Galvão, Alcides Leão, Carmera, Alberto Carvalho, Zumba, Davi Vasconcelos, Luis Amaral entre outros.  É uma mescla de composições bem antigas com uma de 1890 e outras mais atuais.



CD e show 100 Anos de Frevo, sem ele não dá (Claudionor Germano)

Aclamado como um dos maiores intérpretes do frevo no país, o cantor Claudionor Germano dividiu com a população recifense a grande festa dos seus 60 anos de carreira, com apoio da Prefeitura do Recife. O Marco Zero foi palco do show 60 Anos de Arte, que contou com a participação de vários amigos, como Alceu Valença, Lenine, Antônio Carlos Nóbrega e do filho Nono Germano Todos acompanhados pela Orquestra Popular do Recife, sob a regência do maestro Ademir Araújo, que assinou a direção musical do espetáculo.

A direção cênica foi de Paulo de Castro e no repertório do show estiveram, “Hino de Batutas”, “Morena Tropicana”, “Segura no Meu Braço”, “Madeira Que Cupim Não Rói” e “Sorri Pierrô”, entre outras músicas, privilegiando os clássicos do frevo. Mas, como bom intérprete ligado ao seu tempo, também Caludionor Germano também mostrou frevos mais contemporâneos de J. Michiles, Severino Araújo, Nelson Luiz e Cláudio de Almeida.

Gravação e Lançamento do CD e DVD Passo de Anjo (Spok Frevo Orquestra)

Com patrocínio da Prefeitura do Recife a Spok Frevo Orquestra
um dos mais aclamados grupos da nova cena do Recife gravou e lançou nova edição do CD e DVD Passo de anjo. O álbum, gravado em 2004 e lançado a princípio de maneira independente, ampliou sua visibilidade nacional a partir desta nova edição, via gravadora Biscoito Fino. O repertório alia frevos de verdadeiras instituições do gênero – os maestros Clovis Pereira Ponta de lança e Duda Nino, o pernambuquinho, além de Levino Ferreira Lágrima de folião, com participação de Antonio Nóbrega no violino, e “Mexe com tudo, gravada por Pixinguinha na década de 40) -, passando por gênios da música universal do Nordeste como Hermeto Paschoal Nas quebradas e Sivuca Frevo sanfonado, com participação do sanfoneiro Genaro).

Há também novas composições de Spok com o guitarrista João Lyra (Passo de anjo) e Luciano Oliveira (Ela me disse), além de um desdobramento cearense do estilo, em Pontapé, do acordeonista Adelson Vianna em outra parceria com João Lyra, e Frevo da Luz, do baterista Luizinho Duarte e do clarinetista Carlinhos Ferreira, com arranjo do grupo Marimbanda, de Fortaleza. Clovis Pereira e Edson Rodrigues são responsáveis respectivamente pelos arranjos de Ponta de lança e Frevo aberto. Os demais ficam a cargo de Spok.

O lançamento do Cd e DVD aconteceu em janeiro deste ano na casa de shows Canecão, no Rio de Janeiro. No Recife aconteceu no dia 9 de fevereiro de 2008, Dia do Frevo.
 
Projeto Visrtuosi “O Frevo como música de Concerto”

Maior festival de música de Câmara da Região Norte/Nordeste, o IX Virtuosi homenageou em 2006 o compositor pernambucano Maestro Duda, antecipando as comemorações dos 100 anos do Frevo em uma noite intitulada “O Frevo como Música de Concerto”. A Prefeitura do Recife patrocinou o evento.
Mais de 60 artistas nacionais e internacionais apresentaram-se no Festival unindo a música clássica e popular, incluindo concertos sinfônicos e celebrações pelo centenário do Frevo.


CD E O Frevo Continua (Ademir Araújo)

Em 2007 a Orquestra Popular do Recifem, do maestro Ademir Araújo lançou, no Teatro de Santa Isabel, com patrocínio da Prefeitura do Recife, o CD E o Frevo Continua....” segundo trabalho da Orquestra Popular do Recife com repertorio exclusivo de frevos-de-rua, em comemoração aos 100 anos do Frevo. Ao todo, são 14 faixas, 12 compostas pelo próprio maestro, 11 delas no fim dos anos 1960. As outras duas são versões do clássico frevo Vassourinhas, que abrem e encerram o disco. 

CD Nonô Germano – Brasil 100 Anos de Frevo

CD em homenagem ao Centenáriodo Frevo intitulado Brasil 100 Anos de Frevo do intérprete Nono Germano, com patrocínio da Prefeitura do Recife.


Cd Asas do Frevo (J. Michiles) – gravação e lançamento

Em 2007 o cantor e compositor J. Michiles lançou, com patrocínio da Prefeitura do Recife, o Cd Asas do Frevo, o Carnaval de J. Michiles, uma coletânea que contou com a presença de consagrados intérpretes.  O trabalho celebrou os 40 anos de carreira de Michliles com uma caprichada retrospectiva de sua obra. O show de lançamento aconteceu em fevereiro de 2007 no Cais da Alfândega.

O trabalho reúne um elenco de craques como  de Maria Bethânia, Alceu Valença, Antônio Nóbrega, Fafá de Belém, Chico César, Silvério Pessoa, Elba Ramalho dando um sabor mais universal ao ritmo pernambucano. Também abrilhantam o trabalho, André Rio, Almir Rouche, Geraldinho Lins, Claudionor Germano, Véio Mangaba, Amelinha e Claudionor Germano. São 20 faixas com os principais sucessos que vêm animando o Carnaval de Pernambuco, além de algumas canções inéditas como Saudando o Brasil, interpretada por Daniela Mercury. Diabo Loiro, Vampira, Sonhos de Pierrô, Folia do Galo, Pernas pra que te quero, Roda e avisa, Queimando a massa, Bom demais e Me segura, senão eu caio são algumas das faixas que compões o repertório do CD

Calendário 100 anos do Frevo (Renato Filho)

O calendário 100 anos do Frevo, produzido pelo fotógrafo Renato Filho, trouxe em suas páginas fotografias que além de homenagear o ritmo homenagearam também as pessoas que fazem parte da festa do carnaval. As fotos foram tiradas em locais que remetem à data e à cidade, como o Teatro de Santa Isabel, Clube das Pás, Oficina Brennand, entre outros. O ensaio fotográfico teve como modelos Rhaisa Batista, Karina Silva, Sabrina Holanda, Maria Eduarda, Danylla Gouveia e Lara Pires. Também participaram como convidados a Companhia de Dança da Escola Municipal de Frevo Maestro Fernando Borges, Silvério Pessoa, Canibal, Mônica Feijó, China, Maestro Nunes, Orquestra Popular do Recife, Bloco da Saudade, Bloco das Flores, Batutas de São José, SpokFrevo Orquestra e Bloco Misto Banhista do Pina. As modelos vieram vestidas com a coleção A Moda que vem do Frevo do estilista pernambucano Eduardo Ferreira, uma produção sofisticada e arrojada em sintonia com as principais tendências e com a riqueza e diversidade do frevo, numa alusão à alta costura.Em novembro de 2007 o calendário foi premiado na 17ª edição do Prêmio Brasileiro Fernando Pini de Excelência Gráfica.


Selo e Carimbo comemorativos aos 100 Anos do Frevo

A Prefeitura do Recife, em parceria com os Correios, lançou um selo e um carimbo comemorativos dos 100 anos de Frevo. O lançamento oficial aconteceu no Salão Nobre do Teatro Santa Isabel, no dia 8 de fevereiro de 2007. O Selo faz parte da série Trajes Típicos, que além do frevo, homenageou também o Carimbó, ritmo paraense criado pelos índios Tupinambás com influências africanas.

 
A imagem do selo levou a assinatura do artista plástico pernambucano Jô Oliveira e a pesquisa histórica sobre o frevo descrito no edital de lançamento foi da Gerente de Preservação do Patrimônio Cultural imaterial da Prefeitura do Recife, Carmem Lelis.O Carimbo teve como tema específico o centenário do Frevo e trouxe a logomarca criada pela Prefeitura do Recife para comemorar a data. Os carimbos comemorativos são destinados a celebrar eventos importantes ou homenagear personalidades. 


CD Frevo Diabo

Lançamento de um cd de frevos, patrocinado pela Prefeitura do Recife, de uma turma de jovens músicos cariocas e pernambucanos apaixonados pelo nosso ritmo. O grupo Frevo Diabo, nome dado em homenagem ao frevo da dupla Chico Buarque/Edu Lobo, é composto por 10 músicos de várias tendências do circuito musical brasileiro e traz saxofones, metais, baixo, bateria, guitarra e voz. São integrantes de bandas como Monobloco, “Carlos Malta e Pife Muderno”, Furiosa Portátil,  UFRJAZZ e também professores da Faculdade de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em março, essa turma que tem tocado em espaços como o Circo Voador, no bairro da Lapa, além de diversos bailes de Carnaval e teatros, lança seu primeiro CD.


Muito elogiado e reconhecido por gigantes da música brasileira como Egberto Gismonti, Edu Lobo, Guinga, Carlos Malta, Marco Pereira e, principalmente, o maestro pernambucano Ademir Araújo, a banda mistura guitarras distorcidas e bases invocadas com harmonias sofisticadas e os metais do frevo. O disco inclui repertório variado representando o frevo em seus diversos estilos. Chico Buarque e Edu Lobo aparecem simbolizando o encontro de Daniel Marques (carioca fundador do grupo) e Armando Lôbo (pernambucano residente no Rio de Janeiro, cantor/arranjador do grupo): uma amizade e amor pelo frevo que já vem há mais de 10 anos. Fazem parte também releituras das tradicionais “Último Dia” e “De Chapéu de Sol Aberto” além de composições próprias e de amigos da nova geração de compositores. 

 

 

 

 

 

 

 

 



Enviar    Imprimir