Atalhos de navegação:

    Cultura     Seminário discute relação entre as literaturas brasileira e francesa Diário Oficial Agenda do Prefeito Fale conosco

 

RSS lista de noticias do grupo O que é isso?

Cultura

SEMINÁRIO DISCUTE RELAÇÃO ENTRE AS LITERATURAS BRASILEIRA E FRANCESA
00:00 Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

A recepção da literatura francesa no Brasil e da literatura brasileira na França foram os temas debatidos pelo Seminário Literatura, Literaturas: Um Olhar Transatlântico. O encontro foi realizado no auditório da Livraria Cultura, nesta quarta-feira (19), dentro da programação do 7º Festival Recifense de Literatura – A Letra e A Voz.

Foram convidados para essa mesa, mediada pelo professor de Letras da UFRPE, Fábio Andrade, a professora e pesquisadora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Luzilá Gonçalves e o pesquisador da Universidade de Clermont-Ferrand (França), Saulo Neiva. Abrindo a discussão, Luzilá Gonçalves abordou a recepção da literatura francesa no Brasil, desde o período imperial. Segundo ela, outros fatores provocaram influência francesa no Brasil. “As idéias políticas da revolução influenciaram os poetas e o meio de viver da burguesia francesa também influenciou os brasileiros, sobretudo na moda e nos costumes”, destacou.

A pesquisadora lembrou que livros franceses chegaram ao Brasil escondidos do regime, e influenciaram muito os escritores pernambucanos. Após a importação de livros ser liberada, todas as bibliotecas trouxeram centenas de títulos franceses. Outro assunto abordado por Luzilá foram os plágios de textos franceses por autores brasileiros e as referências a autores franceses em livros brasileiros. “Não há nenhum autor romântico brasileiro que não cite na epígrafe escritores franceses”, comentou.

Abordando o ponto de vista da recepção francesa da literatura brasileira, Saulo Neiva não foi muito otimista. Segundo ele “a circulação da literatura brasileira na França não é tão importante quanto gostaríamos que fosse”. Isso se deve, segundo o pesquisador, a alguns fatores centrais como a hierarquia das línguas, que considera o português uma língua periférica; a imagem do Brasil na França como um país exótico ou violento; a política cultural brasileira; a participação dos principais escritores brasileiros na França; e o papel dos mediadores de leitura.

“A imagem que se tem de um país tem um papel importante na circulação da literatura desse país e, nesse sentido, o Brasil está muito fechado para os franceses”, afirmou Neiva. Contudo, Saulo Neiva citou alguns escritores que conseguiram superar essas fronteiras e atingir o público francês como Machado de Assis, Jorge Amado e Clarice Lispector.

Matérias Relacionadas
- Escritor Cristovão Tezza brinda público com palestra na Livraria Cultura
- A Letra e A Voz apresenta Fernando Monteiro e Rogério Pereira
- A Letra e A Voz exibe "Geração 65: aquela coisa" nesta quinta (20)
- Mundo da música erudita é apresentado aos alunos do Bolsa Escola
- Direito Autoral e novas formas de editoração em foco no A Letra e A Voz
- Festival Présence et Passé du Cinema Français
- SPA das Artes Recife 2009 divulga Selecionados
- Oficina de Zine lança publicação
- Seminários discutem o livro desmaterializado
- Raimundo Carrero desvenda a literatura em oficina
- Projeto Aprendiz Encena estimula novos talentos
- Seminário discute importância da biblioteca
- Terça Negra apresenta show de hip hop, afoxé e reggae
- Bonde invade orla de Boa Viagem destilando poesia
- Abertura oficial de A Letra e a Voz empolga público
- Recitata escolhe melhores performances
- Aberta a seleção para exibição de videoartes
- Zaldorf é a atração do projeto Estação Arte desta sexta
- Cinema do Parque exibe Transformers: A Vingança dos Derrotados
- Museu Cidade do Recife passará por obras de requalificação


Enviar    Imprimir